Top Ad unit 728 × 90

CARTA A CAPITOLINA


Como sempre, Patrícia Freire vem nos emocionando com as suas ideias, revoluções pessoais e contos, na coluna só dela, o papo cabeça. Nesta semana, cor de rosa choque no papo de design, sim porque todo dia é dia da mulher, ela passou dos limites e escreveu uma carta a Capitu, personagem mais intrigante e maravilhosa do querido Machado de Assis. Surpreendam-se!


Carta a CapitOlina

É, amiga, as coisas não saíram exatamente como a gente imaginava. ‘Duos afinadíssimos’ dissonam, por mais impossível que isso possa parecer nos momentos pontuais da afinidade. É o preço que ainda pagamos pelo duplo que nos determina.

Você veja mesmo como são as coisas, não é, Capitu? De um amor, em princípio tão Bento, desdobramentos inacreditáveis. Não há meio termo para mulheres como nós, querida. Ainda somos ou putas ou santas, sempre nos extremos, como se em cada mulher não pudessem coabitar as nuances que nos definem e nos singularizam. Você precisou se esconder na Europa da acusação de um delito que nunca se confirmou. Bênçãos e maldições são substantivos muito próximos.

A liberdade de ser o que somos cobra um preço caro para se manter intacta, amiga. Se não fizermos as restrições esperadas pagaremos tributos altíssimos, como aconteceu com você. Seu amor e sua devoção não foram suficientes para Bento. Ele, tíbio desde menino, criou uma semelhança com Escobar cuja veracidade até hoje ninguém confirmou. Assim são os homens, Capitu – abrem mão do amor em nome de uma honra que nem sabem se foi deveras maculada. E se foi de fato? O que vale mais? Amor ou brio? Porque as escolhas necessariamente tem que excluir? Por que o amor que você dispensou a Bentinho tinha que ser dentro do formato que ele exigia e não no modelo que você era capaz de dar? Os homens e a sua eterna necessidade de dominação absoluta.

[post_ad]

Quero crer que foi melhor para você terminar seus dias na Europa. Bento desafinou o belo dueto da meninice e pagou preço alto recriando no Engenho Novo a velha casa de Matacavalos para tentar lhe trazer de volta nas lembranças. Quanta ironia: lhe despachou  para o velho mundo no intuito de não se afogar nas vagas ‘fluidas e misteriosas’ do seu olhar mas seus lamentos casmurros culminaram numa tentativa inglória de ‘atar as duas pontas da vida’ na velhice. Um relato triste do que vocês foram e não puderam continuar a ser por causa da pusilanimidade dele, Capitu. Bento de ressaca. E sem seus olhos. Triste de ver.

Eu não sei como você viu as coisas daí, de tão longe, mas outras mulheres fortes como você também fizeram história. Teve uma tal Simone que nos fez queimar sutiãs em praça pública, uma tal Coco que nos legou elegância e acesso ao conforto das calças, uma tal Tereza que se deu inteira ao mundo em Calcutá, uma tal Pagu que era artista, dizia palavrões e fez Oswald de Andrade se separar de Tarsila do Amaral, uma tal Maria da Penha que transformou sua dor em proteção legal, fora as incontáveis anônimas que pagam todos os dias o preço de ter seu segundo cromossomo X completinho. O que é um Y? Um X que não completou seu desenvolvimento. Um Xinterrompido. Não tem quem me tire isso da cabeça.

Deixa eu te contar que no feminismo contemporâneo aprendemos a ser machistas ou feministas de acordo com a nossa própria conveniência. Radicalismos atualmente soam exagerados e cheiram a naftalina. A gratidão às referências de lutadoras históricas segue em nosso coração mas a ideia de que o meio termo é um bom lugar tem se difundido em mentes abertas como a nossa, caríssima.

As novidades e as conquistas seguem lentas mas são irrevogáveis. Capaz de, se você aparecer por aqui, Bento lhe pedir perdão. Se prepare, porque os homens também estão mudando. Veja se vem qualquer dia para uma cerveja estupidamente gelada. Mulheres tem sempre muito papo pra botar em dia.
Beijos da sua eterna admiradora,

Patrícia.


Para ilustrar e inspirá-la ainda mais...


Coco Chanel

Pagu

Maria da Penha

Nem precisa de legenda...Nossa querida madre Teresa de Calcutá.


Imagens:
Dom Casmurro
Google




MyFreeCopyright.com Registered & Protected
CARTA A CAPITOLINA Reviewed by Cris Quintas on 07:30 Rating: 5

Nenhum comentário:

All Rights Reserved by Papo de Design © 2014 - 2015
Powered By Blogger, Designed by Sweetheme

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Papo de Design. Tecnologia do Blogger.